Terreiro de Umbanda do Pai Maneco, sábado, 23 setembro de 2017

A INTOLERÂNCIA CONTRA AS RELIGIÕES BRASILEIRAS – Por Claudio Henrique de Castro

 

 Alastram-se no Brasil casos de intolerância religiosa contra a Umbanda brasileira, o Candomblé, o Espiritismo e a Igreja Católica.
  Intitulam-se de “os novos evangélicos” que pregam, abertamente, a propagação da intolerância e o combate contra as religiões que cultuam imagens, espíritos e qualquer outra forma de venerar o divino, diferente deles próprios.
  Afirmam, vez por outra, que ninguém presta, salvo os praticantes das suas seitas que pregam o enriquecimento pela adoração de Deus e claro, a obrigatória contribuição financeira e patrimonial aos seus representantes e a intolerância. Tudo dentro da lei? Evidente que não.
  A distribuição de concessões de emissoras de rádios e redes de televisões, incentivada pelas crescentes bancadas políticas no Congresso Nacional, nas Assembleias Estaduais e das Câmaras Municipais e recentemente prefeituras constroem juntas, o novo Estado Teocrático Brasileiro. A liberdade religiosa e a liberdade de pensamento estão ameaçadas.
Em resumo, caminhamos, rapidamente, para o totalitarismo religioso e a gravíssima expansão das práticas de intolerância religiosa e de flagrantes preconceitos de toda ordem amplificados pela divulgação radiofônica, televisiva e em mídias sociais.
A disseminação do ódio contra as religiões, contudo, não é nova na história.
Aconteceu na perseguição dos Imperadores Romanos contra os cristãos que eram atirados às feras e queimados. Ocorreu na Idade Média, perseguindo médiuns e na santa inquisição que se utilizou de sofisticados instrumentos de tortura contra hereges. O nazismo que perseguiu ciganos, judeus e tantos outros grupos em campos de concentração. O fascismo italiano e o stalinismo, todos eles assassinaram milhões de pessoas inocentes que ousaram pensar diferente do estabelecido.
Desde o Brasil Colônia as religiões indígenas e africanas foram perseguidas, o politeísmo devia ser extinto em prol do monoteísmo e da religião única. Com a Proclamação da República surgiu no Brasil o direito à liberdade religiosa, por influência das Revoluções Francesa e Americana.
Recentemente no Brasil, nos séculos XX e XXI, por intolerância religiosa, prenderam o extraordinário médium Zé Arigó, chegaram a importunar o médium Dr. Edson Queiroz, o médium Valentim, o inesquecível Chico Xavier, o médium João de Deus de Abadiânia, e ainda perseguem benzedeiras, Mães e Pais de Santo, praticantes do Espiritismo, da Umbanda brasileira, as nações do Candomblé e a Igreja Católica com a quebra de imagens, queima de templos, pichações, tentativas de homicídios e lesão corporal, perseguições a irmandades e atos de intolerância nas redes e mídias sociais de amplo alcance.
O fanatismo religioso está se alastrando em milhares de lares brasileiros, em consequência também da precarização da Educação no Brasil, o nível escolar dos brasileiros está cada vez menor diante das carências na educação pública e privada, não se ensina mais a pensar, mas somente a repetir conteúdos, sem reflexão.
A pregação da intolerância religiosa e a ideia do pensamento religioso único não podem ser admitidas no Brasil, pois a liberdade religiosa e de pensamento são direitos fundamentais em nossa Constituição.
Recentes episódios de grupos criminosos do tráfico, convertidos em “novos evangélicos”, nas comunidades carentes cariocas, expulsaram Pais e Mães de Santo. Este fato demonstra a crescente onda de intolerância que se espalha pelo Brasil.
Infelizmente, as corporações Policiais, os Ministérios Públicos das esferas estaduais e federal, o Poder Judiciário, ainda não atentaram para esta progressiva e grave violência, há omissão, frouxidão e brandura nas penas imputadas. Resultado: dia-a-dia se avolumam os preconceitos contra os negros, as mulheres, os idosos, os pobres e os praticantes das religiões brasileiras.
Com efeito, o Estado deve zelar e fazer valer a liberdade religiosa, proibindo a disseminação da intolerância religiosa promovida por estes grupos, utilizando-se desde prisões com a abertura de processos criminais, a cassação das concessões de rádios e de televisão e a dissolução compulsória de agremiações intolerantes.
A liberdade de culto e de crença é um valor caro ao Brasil e ao mundo, não podemos retornar à Idade Média e a esta nova inquisição, na qual não prevalece o amor e o respeito ao próximo.
Devemos nos lembrar da famosa Carta da Terra, assinalada por Leonardo Boff, que prevê o dever dos estados de promover uma cultura de tolerância, da não violência e da paz.
Somos todos irmãos e devemos cultuar a prática do amor ao próximo, fora deste quadrante, não há religião.

Referências Bibliográficas:
BIANCHI, Ney. A verdade sobre o Dr. Fritz. Rio de Janeiro: Record, 1997.
BOFF, Leonardo. Ética e Ecoespiritualidade. Rio de Janeiro: vozes, 2011.
CNBB. Compêndio da Doutrina Social da Igreja. São Paulo: Paulinas, 2011.
COMENALE, Reinaldo. Zé Arigó: a oitava maravilha. Editora Boa Imagem: Minas Gerais, s.d.
ESTRICH, Robert Pellegrino. João de Deus: O curador e seus milagres. Trad. Gilda e Eduardo Teixeira. Anápolis: Múltipla gráfica e editora, s.d.
FAORO, Raymundo. A República Inacabada. Organização e prefácio Fábio Konder Comparato. São Paulo: Globo, 2007.
FRUCTUOSO, Paulo César. A face oculta da medicina. Rio de Janeiro: Educandário Social lar de Frei Luiz, 2ª edição, 2015.
FRUCTUOSO, Paulo César. Espíritos decaídos materializados. Rio de Janeiro: Educandário Social lar de Frei Luiz, 2014.
GOMES, Saulo. Pinga-fogo com Chico Xavier. Catanduva São Paulo: Intervidas, 2010.
LACERDA FILHO, Licurgo S. de. Mediunidade na idade Moderna e Contemporânea. Minas Gerais: Ninas Editora, 2005.
LIMA, Luiz da Rocha. Memórias de um presidente de trabalhos: relatos de sessões de fenomenologia espírita. Educandário Social lar de Frei Luiz, 2014.
LIMA, Luiz da Rocha. Mensagens dos Espíritos pelo telefone. Rio de Janeiro: Educandário Social Lar de Frei Luiz, 2014.
LIMA, Ronie. Os caminhos espirituais da Cura. Rio de Janeiro: Mauad X, 2010.
MAGALHÃES, Maurício da Silva. Dr. Fritz: o médico e sua Missão. São Paulo: Livraria e Editora Universitária de Direito, LEUD. 1998.
MAIOR, ______. As vidas de Chico Xavier. Rio de Janeiro, Record, 2014.
TANAKA, Fátima Ayako. Vinte anos com Valentim. Brasília: Totem Gráfica Editora e Papelaria Ltda., 2004.
TAVARES, Clóvis. Mediunidade dos Santos. São Paulo: Difusão Espírita, 1988.
TOURINHO, Nazareno. Edson Queiroz, o novo Arigó dos Espíritos. São Paulo: Edições Correio Fraterno, 1983.

Referências na internet:
http://extra.globo.com/casos-de-policia/crime-preconceito-maes-filhos-de...
http://informebaiano.com.br/15809/manchetes/adeptos-do-candomble-expulso...
 

Bandeira da Amizade