Terreiro de Umbanda do Pai Maneco, domingo, 24 setembro de 2017

Umbanda pés no chão

Acho necessário ficar gravado para os atuais médiuns e os que no futuro ostentarem em sua roupa branca o emblema do Terreiro do Pai Maneco, o que aprendi no exercício de minha trajetória.

Orientação do Pai Fernando aos Médiuns do Terreiro do Pai Maneco

Por ser um ferrenho pregador da liberdade do ser humano, por convicção não estou filiado a nenhuma Federação ou Confederação para não ter que obedecer qualquer regra humana ou política. Não quero dizer que a liberdade seja absoluta, ela vai até onde inicia a liberdade de outro. O respeito, a educação, a honestidade e o bom senso são os reguladores do comportamento de todos que estiverem sob a tutela do terreiro de todos nós.

Não gosto de segredos e adoro desmistificar o que por conveniência está mistificado por alguns pregadores carentes da ousadia. Não posso entender uma religião que não possa caminhar com a modernidade, a humildade e coragem para mudar conceitos, descobrindo e adotando novos valores.

O que hoje é tido como certo pode ser modificado diante de uma evidência mais forte. É assim que penso e assim vou agir até onde minha força possa me manter. Gosto da franqueza e não admito traição. Não ligo o que pensam de mim, mas respeito o pensamento dos outros. Entendo o erro, mas não aceito a exploração da religião. Não admito o uso do sangue como elemento de trabalho, por respeito à vida dos animais. Meus mestres são os espíritos e só deles recebo ordens.

Depois desta apresentação, sinto-me mais à vontade para modestamente organizar um curso de orientação da Umbanda dirigido aos integrantes do nosso terreiro e também a quem queira dele tirar algum proveito.

Bandeira da Amizade