Terreiro de Umbanda do Pai Maneco, sábado, 25 março de 2017

Perguntas e Respostas - Geral

Vão embora em termos. Por causa da tronqueira, alguns espíritos não entram no terreiro. E quando você sai, eles estão te esperando lá fora. Além disso, se você aceita um obsessor, você exerceu o livre arbítrio, impedindo que entidades protetoras possam afastá-los de você.

É um tema bastante polêmico. Na Umbanda não se diz “é assim”, fala-se “eu faço assim” ou eu “penso assim”. Por isso, vou dizer o que eu penso: o Anjo da Guarda é a soma do teu próprio espírito livre da encarnação atual. Quando você pede a proteção do Anjo da Guarda você acaba pedindo para todas as tuas vidas e varias reencarnações ajudem o cumprimento da missão nesta vida atual.

Um espírito mistificador pode atuar em qualquer linha, mas isto não ocorrerá se o terreiro tiver boa segurança.

Depende da intuição no momento do dirigente da Casa, aliás o único que pode permitir que isso aconteça.

Dificilmente isso pode acontecer, mas influências malignas com essa intenção são comuns.

Não existe nada que não possa ser substituído. O preço das coisas fica por conta da pessoa interessada que é quem faz as compras, e por isso, quando o material custa caro deve ser substituído por outro. Um amalá é coisa simples e sempre está ao alcance de qualquer bolso. Aqui em nosso terreiro não pegamos dinheiro de ninguém.

Tudo o que ultrapassa o razoável não é bom. Devemos perceber quando o prazer está em excesso para dominá-lo sem deixar este que ele se transforme em um tormento. Quando não se dominá-lo, pode estar acontecendo a interferência de um espírito que partilha desse prazer, que é um obsessor. Devemos ficar vigilantes para que isso não aconteça.

Na obsessão o espírito apenas dá a idéia de fazer alguma coisa, e a pessoa com seu livre arbítrio decide se faz ou não. Na possessão o espírito domina e toma conta da pessoa. São verdadeiros animais. Um exemplo é o de um menino de 14 anos que entrou carregado por outras pessoas no centro kardescista em que eu trabalhava. Eu percebi que ele estava possuído por um espírito. Depois da realização de um trabalho o menino voltou a si e disse que não sabia o que lhe acontecia, mas sabia que um bicho grande e feio pulava nele.

Não é necessário que sejam usadas fotos para consultas ou trabalhos. A Umbanda trabalha com vibrações e se está sendo feito um trabalho de caridade para alguém que por um motivo especial não possa estar presente no momento do trabalho, o pensamento direcionado a essa pessoa leva toda a vibração até onde ela estiver. Uma foto que fica exposta em um trabalho em Terreiros causa constrangimento, tanto que chamou a sua atenção. Normalmente eles pedem nome, endereço e idade.

Quaresma faz parte do ritual do catolicismo, não da Umbanda. Dentro da nossa religião, entregas podem ser feitas a qualquer momento.

O espirito maligno mal intencionado e que sabe agir na matéria pode causar danos imprevisiveis. Ele age no perispirito enfraquecendo a sua defesa e abrindo espaços para a penetração de vibrações negativas diretamente na carne. Prova disso são as dores nos ossos, na coluna, tonturas, enjoos e aí por diante. Por isso que são necessários constantes vibrações nos terreiros e contato direto com a natureza para equilibrar esses desvios do perispirito.

Uma vez alguém me contou ter cometido uma fala grave dentro da Umbanda. A pessoa disse que contava para mim, porque tinha vergonha de falar com o Caboclo. Akuan. Acho que foi aí que eu senti ter conquistado a confiança dos médiuns e o respeito ao Caboclo Akuan, de forma bem separada.